22 de abril de 2003
By

encantador

Hoje uma amiga aconselhou-me a ouvir um cd do ”som das baleias” para relaxar. Eu lhe respondi:
– Som das baleias? Som das baleias? Por tudo o que é sagrado, prefiro que cravem lascas de bambu embaixo das minhas unhas, prefiro antes uma sessão de eletro-choque na língua a escutar tão medonhos acordes. Eu DETESTO o som das baleias!
Ela me olhou como se eu tivesse chutado a santa e disse:
– Você é um monstro insensível! Como pode detestar um animal tão lindo e maravilhoso! Você deveria estar envergonhado de dizer algo assim!

Eu entendo a revolta dela, mas o que ela não sabe, pois não me deixou dizer, é que não detesto as baleias. Pelo contrário, eu amo todos os animais, com exceção dos coelhos, pelo trauma, e das cobras que me cobrem de pavor, embora nem a eles reserve meu ódio, desde que eles estejam lá e eu aqui. Ou eles aqui e eu lá. Também vale.
O que eu detesto (e não sei porque detesto, mas, definitivamente, detesto) é o ”som” das baleias e não o animal em si. E apesar da dificuldade em desvencilhar um do outro, algumas pessoas tentam tal proeza com certos animais. Não é raro encontrar-se cães mudos porque seus donos, não se agradando de seus latidos, operaram-lhes as gargantas. Sem uma boa razão, a isto sim, eu chamaria de insensibilidade.

Acredito que, via de regra, as pessoas sabem pouco a respeito das criaturas da natureza e suas características. Em virtude desse desconhecimento muitas lendas perduram e algumas injustiças são cometidas. Um exemplo clássico é o dos orangotangos, usualmente vistos somente como micos superdesenvolvidos, e que no entanto, possuem uma inteligência equivalente à de uma criança de 5 anos, o que os deixa na frente de muita gente famosa.
Mas há mais fatos interessantes:
– Os gafanhotos ouvem pelos joelhos;
– Os morcegos têm uma visão muito boa, sim senhor;
– Os escorpiões não se aguilhoam na cabeça ao serem aprisionados em um círculo de fogo;
– As borboletas têm o sentido do paladar nos pés…

{Aqui abro parênteses, pois uma imagem terrível se formou em minha mente. Vislumbrei a nós, humanos, com papilas gustativas na planta dos pés, andando alegremente, provando dos sabores do mundo até que, para nossa desgraça, pisamos em uma caca de cachorro… É melhor eu controlar a minha imaginação e voltar ao texto};

– Os gatos, além de ouvidos poderosos, também possuem células auditivas nos olhos;
– As formigas cortadeiras não se alimentam das folhas que cortam, mas dos fungos que crescem em suas tocas e que se nutrem dessas folhas;
– As cobras são surdas;
E outras mais…

Em relação à surdez que acomete as cobras, o que realmente acontece nas apresentações dos encantadores de serpente é que essas criaturas peçonhentas concentram-se profundamente no movimento rítmico da flauta e não no som dela. Em todo caso, se fosse eu o tal encantador, teria sempre a flauta em uma mão e um porrete na outra.

PS: Algumas pessoas perguntaram-me sobre a possibilidade de incluir, em seus respectivos sites, um ”link” para essa página. Com certeza! Eu lhes respondo. Sintam-se livres e à vontade para lincar esse blog onde lhes for mais agradável e conveniente. A casa agradece.

A todos um beijo no queixo.

Leave a Reply